Qual a responsabilidade de Bonner e Kamel no colapso de audiência do Jornal Nacional? Por Paulo Nogueira

Por Paulo Nogueira

Leio que pela primeira vez o Jornal Nacional perdeu, no Ibope, no Rio de Janeiro.

Foi batido por uma novela da Record.

Mas o que mais me chama a atenção na notícia é a audiência do JN: 20 pontos. E isso em seu reduto carioca.

Esse desempenho sofrível – não de um dia, não de uma semana, mas prolongado – torna interessante uma pergunta.

Quanto o drama de audiência do JN é fruto do mercado e quanto é fruto do trabalho de seus editores.

Que a internet é a principal razão, não há dúvida. A Era Digital tornou obsoleta a tevê como a conhecemos.

As pessoas crescentemente consomem vídeos na internet, em seus celulares ou, em menor parte, tabletes. Na hora em que querem, do jeito que preferem.

Para empresas que vivem da tevê, como a Globo, é uma tragédia.

Não é exagero dizer que a Globo é a Abril amanhã.

Mas, descontados os estragos da mão invisível, como Adam Smith chamava o mercado, há que olhar para o Jornal Nacional diante de outros programas.

O fato de ser batido – ainda que por uma novela – é um sinal claro de que também o conteúdo está deixando a desejar, na visão dos consumidores.

É então que entra a responsabilidade de Ali Kamel, responsável pelo JN, e de William Bonner, o locutor e principal editor.

Eles pegaram o JN com mais que o dobro da audiência de hoje. Sob os números frios, é uma calamidade e um atestado de inépcia.

Mas há, repito, que levar em consideração as circunstâncias.

Mesmo elas, no entanto, não parecem ser ruins o suficiente para explicarem, sozinhas, o fenômeno da debandada dos espectadores.

A Globo tem feito pesquisas com o público para aferir por que suas novelas são uma sombra do que foram em audiência.

Estará fazendo o mesmo com o JN?

Não sei, e suspeito que sim.

Um breve e superficial exame meu, como jornalista, sugere que o JN é um produto com sérias deficiências.

A maior delas é o peso dedicado às más notícias.

Vou simplificar. Nos tempos da ditadura militar, o Brasil era pior do que o Brasil mostrado no JN.

Agora, o Brasil é melhor do que o Brasil mostrado no JN.

Por trás de tudo há uma intenção política.

Sob a ditadura, Roberto Marinho se empenhava em produzir um noticiário que beneficiasse os generais, em troca de privilégios.

Hoje, descrever um país à beira do colapso e mergulhado num mar de lama é parte de uma tentativa de colar no PT o carimbo de inepto e corrupto.

Isso prejudica o conteúdo e, consequentemente, afasta mais espectadores do que a internet, sozinha, faria.

Talvez não adiante nada demitir Kamel e Bonner se essa lógica perdurar. Os novos editores fariam um JN tão ruim quanto os velhos.

Uma boa comparação é com a Veja.

Trocar os editores é inútil se a Abril não alterar a missão da revista: eliminar o PT.

Uma coisa é certa: a Globo tem um grande problema com seu principal telejornal.

Sobre o Autor – O jornalista Paulo Nogueira é fundador e diretor editorial do site de notícias e análises Diário do Centro do Mundo.

Fonte: http:http://www.diariodocentrodomundo.com.br/

Publicado por

Joelson Ribeiro Macêdo

Estudou Geografia na UCSAL, Agente Político, militante do PCdoB, sindicalista e ex-secretário Municipal de Esporte e Lazer de Camaçari - Bahia. Conselheiro da Cidade do Saber e Assessor do Executivo Municipal. Filho de Camaçari, apaixonado pela minha cidade! "De bem com a VIDA"

Deixe uma resposta