PF faz apreensões na casa de Ricardo Murad, cunhado de Roseana Sarney

Ex-secretário de Saúde do Maranhão foi alvo da Operação Sermão aos Peixes, que visa reprimir o desvio de recursos públicos federais do Fundo Nacional de Saúde (FNS); PF cumpriu 13 mandados de prisão preventiva, 60 mandados de busca e apreensão e 27 mandados de condução coercitiva; Murad, do PMDB, foi levado para prestar depoimento; segundo as investigações, ele passou atividades da Saúde para entes privados na tentativa de fugir dos controles da lei de licitação, facilitando o desvio de verba pública; prejuízo pode chegar a R$ 114 milhões

Maranhão 247 – Com o objetivo de reprimir o desvio de recursos públicos federais do Fundo Nacional de Saúde (FNS), destinados ao sistema de Saúde no Maranhão, a Operação Sermão aos Peixes, da Polícia Federal cumpriu 13 mandados de prisão preventiva, 60 mandados de busca e apreensão e 27 mandados de condução coercitiva, entre eles a do ex-secretário de Saúde do Maranhão Ricardo Murad (PMDB), cunhado da sua correligionária e ex-governadora, Roseana Sarney. Murad foi levado à PF para prestar depoimento. Segundo as investigações, uma auditoria indica que o prejuízo aos cofres públicos pode chegar a R$ 114 milhões.

A operação, realizada em parceria com a Controladoria-Geral da União (CGU) e o Ministério Público Federal (MPF) uma operação, tiveram início em 2010, quando Murad, se utilizou do modelo de ‘terceirização’ da gestão da rede de saúde pública estadual. De acordo com a Justiça, ao passar a atividade para entes privados – seja em forma de Organização Social (OS) ou Organização de Sociedade Civil de Interesse Público (Oscip) –, o então secretário tentou fugir dos controles da lei de licitação.

Como consequência da iniciativa, o ex-dirigente empregou pessoas sem concurso público e contratou empresas sem licitação, facilitando o desvio de verba pública federal, com fim específico de enriquecimento ilícito dos envolvidos. Há suspeitas de que o dinheiro supostamente desviado tenha sido usado em campanhas eleitorais de 2010, 2012 e 2014 – esta hipótese será investigada especificamente pela Justiça Eleitoral.

A Polícia Federal suspeita de destruição de provas, de acordo apurações da TV Globo. Os alvos da operação poderão responder pelos crimes de estelionato, associação criminosa e peculato, por organização criminosa e “lavagem de dinheiro.

Fonte: Brasil247

Publicado por

Joelson Ribeiro Macêdo

Estudou Geografia na UCSAL, Agente Político, militante do PCdoB, sindicalista e ex-secretário Municipal de Esporte e Lazer de Camaçari - Bahia. Conselheiro da Cidade do Saber e Assessor do Executivo Municipal. Filho de Camaçari, apaixonado pela minha cidade! "De bem com a VIDA"

Deixe uma resposta