Altamiro Borges: Cunha tem alguma gravação comprometedora de FHC dos tempos da privataria tucana?

Cunha esconde algum podre de FHC?

por Altamiro Borges, em seu blog

Saiu na coluna da jornalista Mônica Bergamo na Folha deste domingo (12):

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), não digeriu por completo as declarações de Fernando Henrique Cardoso sobre suposto pedido de parlamentares para que ele ocupasse uma diretoria da Petrobras no governo do tucano. O ex-presidente afirmou em um livro que negou o pedido porque o parlamentar “tinha trapalhadas”.

“Fernando Henrique não precisa de escada em mim para poder promover o livro dele”, diz Cunha. “Mas eu, por questão de educação, não vou remeter a fatos pretéritos da época em que eu estava na Telerj.” O peemedebista presidiu a telefônica do Rio nos governos de Fernando Collor e no início do de Itamar Franco, em que FHC foi chanceler e ministro da Fazenda.

O que seriam os tais “fatos pretéritos” de FHC que o famoso lobista alega conhecer? Várias suspeitas vêm à tona. Como presidente da Telerj, Eduardo Cunha acompanhou o processo da privatização das estatais no triste reinado do PSDB. O livro de Amaury Ribeiro Jr., “A privataria tucana”, fornece farta documentação sobre a negociatas deste período – como as contas nos paraísos fiscais, as propinas recebidas por influentes caciques do PSDB e vários outros podres. No caso da entrega da estatal da telefonia, os maracutaias beiraram a “irresponsabilidade”, como reconheceu um ex-ministro de FHC.

Será que Eduardo Cunha conhece algum podre da privataria tucana? Na própria Folha, o veterano jornalista Janio de Freitas não vacila em afirmar que os “fatos pretéritos” ajudam a explicar o apoio do PSDB ao presidente da Câmara Federal. No seu imperdível texto, intitulado , ele afirma que os tucanos tem duas razões básicas para blindar o lobista:

“Os taradinhos do impeachment preservam o presidente da Câmara porque esperam dele que instale a ação para a derrubada de Dilma e não têm pudor de dizê-lo… A outra vertente da proteção peessedebista a Eduardo Cunha veio dos mais velhos que ainda influem no partido. São remanescentes do governo Fernando Henrique. Ou seja, do escândalo das privatizações causado por grampos telefônicos que levaram à saída forçada de ministros e de outros do governo, comprometidos com fraudulências surpreendidas pelas gravações”.

O colunista inclusive dá pistas sobre os tais “fatos pretéritos”. Lembra que a maior parte da armação para privatizar as estatais transcorreu no Rio de Janeiro, sede das empresas e do BNDES. “Tudo se passava, portanto, nos domínios territoriais e operacionais de Eduardo Cunha, presidente da Telerj, a telefônica estatal do Rio, no governo Collor Mello e até a posse de Itamar Franco. Logo, nada de extraordinário que, pelas investigações ou por dedução, o circuito fechado do governo Fernando Henrique desse as gravações como obra de Eduardo Cunha, que em anos recentes já fora dado como responsável por grampos em série”. Será que o lobista tem alguma gravação reveladora de FHC?

“Deus é suíço”, ironizam os internautas

É possível que Eduardo Cunha, temendo ser cassado e até preso, esteja apenas fazendo ameaças para garantir a continuidade do apoio do PSDB. Afinal, sua situação é desesperadora. Na semana passada, o Ministério Público da Suíça revelou novos documentos que comprovam que o dinheiro do lobista e da sua esposa, Cláudia Cruz, passaram por 23 contas em quatro países. O objetivo seria o de ocultar a origem da grana ilegal, não declarada na Receita Federal. No total, as quatro contas já descobertas na Suíça movimentaram

R$ 23,2 milhões. O fato detonou uma onda de ironias nas redes sociais. “Deus é suíço”, brincam os internautas, lembrando que Eduardo Cunha se diz evangélico.

Para complicar ainda mais sua situação, há provas de que o deputado Eduardo Cunha usou passaporte diplomático para abrir contas secretas na Suíça. A cópia do documento está entre os papéis entregues às autoridades brasileiras. Esse tipo de passaporte, de capa vermelha, garante tratamento especial no exterior e é emitido apenas para autoridades e pessoas que viajam em atividades de ‘interesse do país’. No caso, ele foi utilizado para garantir os interesses do próprio lobista. Lógico, a revelação também virou motivo de chacota na rede. Para escapar das cruéis gozações dos internautas, Eduardo Cunha só tem um jeito. Revele logo os “fatos pretéritos” de FHC! Coragem, valentão!

Fonte: http://www.viomundo.com.br/

 

Publicado por

Joelson Ribeiro Macêdo

Estudou Geografia na UCSAL, Agente Político, militante do PCdoB, sindicalista e ex-secretário Municipal de Esporte e Lazer de Camaçari - Bahia. Conselheiro da Cidade do Saber e Assessor do Executivo Municipal. Filho de Camaçari, apaixonado pela minha cidade! "De bem com a VIDA"

Deixe uma resposta